amor, viagens, cores e paredes felizes

Comentários 29 Padrão

Hoje eu vim aqui pra falar das paredes da casa de uma família que ajudei a decorar.

O casal é meio que cidadão do mundo. Eles já moraram em vários cantos, juntos ou separados, e já viajaram muito também.

Nessas idas e vindas conheceram muitas culturas, muita gente, muitos lugares legais, e cada vez que voltaram, trouxeram junto alguma lembrança, um souvenir, um presente ou algo que lhes encantou.

E assim, junto com as recordações que já tinham, foram construindo uma estória bonita.

No final do ano passado, ela me chamou na casa dela, e abriu o baú pra mim. E pediu pra eu ajuda-la a colocar aquilo tudo nas paredes.

Mas era muita coisa! E de tudo um pouco! E nada combinava muito bem! Uma loucura.

Mas logo eu estava envolvida até o pescoço, selecionando quais daqueles tesouros teriam lugar nas paredes.

E foi uma missão difícil. Tivemos que deixar muitas coisas de lado, mas conseguimos chegar numa coleção legal.

Outro dia fomos até a molduraria. Me diverti horrores, já que ela estava a fim mesmo de muita cor, de muito contraste e de muita alegria. E

E aí foram mais duas longas noites, uma medindo, espalhando quadros e objetos no chão, puxa pra cá, arrasta pra lá e tals. E outra martelando, martelando, martelando.

Ela ficou super feliz com o resultado! E eu também! Então resolvi mostrar pra vocês.

São três paredes, a primeira divide a sala de jantar com a cozinha:

Parede com moldurinhas de ferro vazias, uma galinha e um porco-espinho.

Misturinha de cores com lembranças queridas.

A galinha veio na bagagem, direto de New York.

O porco espinho feito de trigo é da Suécia e ganhou moldura.

As moldurinhas de ferro foram compradas na Etsy.

A segunda parede ocupa todo o corredor que conecta a entrada principal, a escada e todos os ambientes do térreo.

É uma parede enorme, e a moradora escolheu pra ela a cor amarelo Post-it. Ela levou um Post-it até a loja de tintas e encontrou o tom exato.

Colorida!

Muitos lugares e momentos diferentes numa única parede.

Molduras super contrastantes se misturam a objetos queridos. O triciclo foi comprado para o primeiro filho na Radio Flyer.

Precisa dividir a parede em duas para fotografar. Aqui o lado direito.

Cartaz de um show do Jello Biafra, ex-vocalista do Dead Kennedys.

Lenços africanos, chamados Kikoys, que os dois trouxeram do Kenya, onde foram voluntários em um orfanato por algumas semanas.

Colar dos guerreiros Masai também da viagem ao Kenya.

Estes guerreiros pintados em tecido também vieram do Kenya, e ganharam paspatur preto e moldura de madeira de demolição.

Ao lado de mais um Kikoy, a Grande Onda de Kanagawa, de Hokusai, impressa em tecido, também ganhou moldura de madeira de demolição.

As cores dos Kikoys são lindas.

O trabalho em madeira, vindo do Kenya, deseja boas vindas aos visitantes (Karibu, em Swahili), enquanto o pôster lembra o show da banda Dead Kennedys.

Detalhe dos desenhos, talhados na madeira.

E aqui o lado esquerdo.

Pôster da revista Dirt Rag. Escolhemos essa moldura detonada e achei que ficou bem bacana.

Logo acima, duas ilustrações mexicanas, trazidas de viagem, mantidas com as molduras originais.

Print de Kevin Nierman, Trabalhador Industrial.

Abaixo dela, um presente de casamento de um amigo italiano do casal.

A terceira e última parede fica na sala de jantar.

Essa é a minha preferida.

A mesa e as cadeiras são da Ikea, assim como o tecido usado no trilho da mesa. O pendente é da Mantra, e o buffet é de marcenaria.

Não foi fácil chegar nessa disposição, principalmente por causa dos objetos miúdos, mas no fim das contas, eu amei a composição.

Sobre o buffet, velas em forma de cactus.

E a boneca toda colorida, contrasta com o móvel, todo branco.

Ela também é mexicana.

A vaca foi trazida da viagem à Irlanda, e o peixe é ilustração de um calendário de arte Inuit (esquimó).

As tags das orelhas inspiraram a cor da moldura.

A moldura branca, com acabamento lixado, e o paspatur vermelho, valorizaram a página do calendário.

Os pega-moças foram trazidos da viagem à Amazônia.

Mesmo com tanta diversidade, conseguimos manter a harmonia, usando cores quentes em paspaturs e molduras.

A ilustração com tema botânico do ilustrador Jarbas. A flor da bromélia deu o tom do paspatur.

A bola pintada à mão, vinda de Cancún, foi colada num fundo branco e emoldurada.

A ilustração dos ursos polares, também é do calendário de arte Inuit, e ganhou moldura de um amarelo bem forte.

E a águia, do mesmo calendário, ganhou a mesma moldura branca lixada, com paspatur laranja.

O gondoleiro articulado, feito em madeira, foi trazido de Veneza.

A linda ilustração da Sakura, a cerejeira japonesa, foi presente e ganhou um paspatur dourado, com moldura envelhecida e delicada.

As cores vivas do Kikoy estão nesta parede também.

As bonequinhas de cerâmica, com perninhas soltas, fazem barulho, como sinos. Esta é de Playa del Carmen, e tem trancinhas de fio.

A verde e a laranja são de Cancún.

O cartão virou quadro. Da Nova Zelândia, representa um kiwi, animal típico da ilha, esculpido em osso.

E a borboleta Morpho, recordação de infância, ganhou moldura nova.

Ainda inventei um móbile, com as outras bolas pintadas à mão que eles trouxeram de Cancún, mas não fiquei muito satisfeita com o resultado. Ele está no hall de entrada do andar superior, onde ficam os quartos.

Usei um bastidor, que pintei de vermelho como base, e fio encerado pra pendurar as bolas. No centro, presa com fio de nylon, uma piñata de cerâmica.

As bolas são lindas, e as cores vibrantes, mas o móbile não me convenceu.

E foi assim que deixamos a casa dessa família cheia de cores e de lembranças!!!

:)

antes e depois – sala de estar

Comentários 32 Padrão

Renovei a sala desta casa, que tem três ambientes: sala de estar, sala de jantar e espaço para brinquedos.

A sala estava apagada demais e tristonha demais, e eu mudei algumas coisas, usando tecidos e muitos adesivos.

No fim das contas foram mudanças bem simples e baratas, mas que eu achei que animaram o ambiente, olha só:

Essa parede atrás da TV era muito branca, muito vazia.

Então coloquei esse adesivo enorme, que tomou ela toda, pra resolver a brancura.

Levei uma tarde e boa parte de uma noite pra colar tudo isso. Foi cansativo, mas super fácil.

No móvel, pouca coisa mudou. Um brinquedo e as pilhas de revistas de decoração.

Aliás, esse simpático palhacinho é um brinquedo das crianças, e eu achei tão lindo (e nas cores certas), que acabou ganhando status de decoração.

Eu acho bacana usar objetos das crianças para decorar as casas, elas ficam super felizes de ter seus objetos expostos.

Os objetos continuam os mesmos. Muitas coisas da Tok Stok, pedras, sementes e conchinhas e dois bichos de pelúcia.

A outra paredinha também ganhou algumas coisinhas pra ficar mais feliz.

Resolvi fazer um varalzinho, sem usar pregos (com aqueles ganchinhos adesivos da 3M), com algumas prints bacanas, carimbos dos pés e mãos dos pequenos moradores, uma guirlandinha que já mostrei antes e outras lembrancinhas.

As prints são do Estúdio Cereja, que tem mandado muito bem na criação.

Amei essas porque além de serem lindas, também casam com a paleta de cores.

E as flores são dobraduras de papel de scrap, que eu usei pra esconder os ganchinhos da 3M.

Alguns objetos da família e algumas comprinhas feitas na Tok Stok decoram a mesinha de centro..

E as almofadas lindas e alegres.

Algumas já eram da casa e outras eu mandei fazer com tecidos da Etsy. Se não me engano, todos são Amy Butler.

Assim que sobrar um tempinho eu volto pra continuar, tá?

Enquanto isso, me diz o que você achou até agora.

:)